Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Tocando agora: Carregando...

ARTE CAPA PROGRAMACAO
No comando: O MELHOR DA BLACK MUSIC

Das 00:00 as 24:00

Alcione

Compartilhe:
alcione

Alcione Dias Nazareth nasceu em São Luís do Maranhão no dia 21 de novembro de 1947. O nome de batismo foi ideia do pai, inspirado na personagem Alcíone, a protagonista do romance espírita Renúncia, psicografado por Chico Xavier. Ela é quarta dos nove irmãos: Wilson, João Carlos, Ubiratan, Alcione, Ribamar, Jofel, Ivone, Maria Helena e Solange. Alcione tem mais nove meio-irmãos que seu pai teve com outras mulheres. Sua mãe chegou a amamentar algumas dessas crianças, por considerar que as crianças não poderiam ser culpadas pelas traições do marido.[2]

Desde pequena, graças ao pai policial e integrante da banda de sua corporação, João Carlos Dias Nazareth, inserida no meio musical maranhense, Alcione fez sua primeira apresentação já aos doze anos. O pai foi mestre da banda da Polícia Militar do Maranhão e professor de música. Além disso, foi compositor e entusiasta do bumba-meu-boi, folguedo típico da capital maranhense. Foi ele quem lhe ensinou, ainda cedo, a tocar diversos instrumentos de sopro, como o trompete e clarinete que começou a praticar aos nove anos.

Com essa idade, tocava e cantava em festas de amigos e familiares, e na Queimação de Palhinha da festa do Divino Espírito Santo. Sua mãe, Filipa Teles Rodrigues, entretanto, guardava o desejo de que a filha aprendesse a tocar acordeão ou piano. Não queria que Alcione aprendesse a tocar instrumentos de sopro temendo que a filha ficasse tuberculosa, crendice comum à época.

Sua primeira apresentação profissional foi aos 12 anos, na Orquestra Jazz Guarani, regida por seu pai. Certa noite, o crooner da orquestra ficou rouco, sendo substituído pela menina. Na ocasião, cantou a canção “Pombinha Branca” e o fado “Ai, Mouraria”.

Alcione afirmou que seu pai era “bom homem” e incentivava as filhas a serem independentes desde muito cedo, a nunca obedecerem homem nenhum, além de lhes ensinar valores morais rígidos.[2] Aos 18 anos de idade formou-se como professora primária na Escola de Curso Normal. Lecionou por dois anos, quando foi demitida aos 20 anos, por ensinar a seus alunos como se tocava trompete, que seu pai lhe ensinou quando pequena, querendo passar o aprendizado que recebeu, mas isso não agradou a direção da escola, que na época era muito rígida.[2]

Após a demissão, continuou a dedicar-se à música, e dessa vez de forma mais intensa e exclusiva. Conseguiu uma vaga em um sorteio e apresentou-se na TV do Maranhão. Ficou fixa na TV, apresentando-se lá nos anos 1960 até meados dos anos 1970 e além de cantar na TV, também cantava em bares e boates em várias cidades do Maranhão. Querendo alcançar rumos maiores, Alcione mudou-se para o Rio de Janeiro em 1976.

Não conhecia nada no Rio e quem lhe ajudou a se estabelecer foi seu amigo, o cantor Everardo. Com ajuda dele também, Alcione começou cantando na noite, onde Everardo lhe apresentou as boates e bares da cidade. Ensaiava no Little Club, boate situada no conhecido Beco das Garrafas, reduto histórico do nascimento da bossa nova, emCopacabana. Cantou também em boates como Barroco, Bacarat, Holiday e Bolero.

Começou a se inscrever em programas de calouros, e foi sendo chamada para se apresentar. Venceu as duas primeiras eliminatórias do programa A Grande Chance, de Flávio Cavalcanti. Nessa mesma época, conheceu a famosa TV Excelsior. Se inscreveu e conseguiu fazer um teste de voz, e passou com boa colocação. Assinou o primeiro contrato profissional com essa TV, apresentando-se no programa Sendas do Sucesso.

Depois de seis meses na emissora, realizou turnê por quatro meses pela América Latina, sendo a primeira vez que saiu do Brasil. Após ter feito excursão também por países daAmérica do Sul, recebeu proposta de turnê na Itália, e assim morou na Europa por dois anos. Voltou ao Brasil em 1972.

Em 2007 Alcione interpretou a cantora americana Lady Brown, na minissérie Amazônia, de Galvez a Chico Mendes, na Rede Globo.[3]

Vida pessoal

Alcione nunca se casou oficialmente, apenas teve muitos namorados. Diz que não quer mais dividir a mesma casa com um namorado e diz que até os dias atuais ainda namora e sai com os homens que lhe despertam interesse.[2] Ao decidir ter um filho, descobriu que não poderia ser mãe. Tentou tratamentos laboratoriais, como inseminação, além de operações espirituais, mas não obteve êxito em nenhuma tentativa[4] .

Contraiu uma doença na garganta e nas cordas vocais que só lhe daria mais um ano para poder cantar. Para tentar reverter o quadro, operou espiritualmente em um centro kardecista com Dr. Fritz, uma entidade espiritual. Seguiu o ritual e ficou calada por três dias, após a cirurgia. Surpreendendo os médicos, Alcione se curou e poderia cantar sem restrições, como sempre fez.[4]

Afirma não beber mais e nunca ter fumado, e que foi criada no catolicismo, mas diz que desde a cura de sua garganta se tornou kardecista. Agradece a Deus pelo dom de cantar, já que nunca fez aula de canto.[5]

Prêmios e homenagens

Alcione durante espetáculo no Clube Português, no Recife, em 28 de maio de 2011

Em 2015, ganhou o 26º Prêmio da Música Brasileira na categoria Melhor Cantora de Samba.[6]

Discografia

Universal Music / Philips

Sony BMG / RCA

Universal Music / Polygram

  • Valeu – Uma Homenagem à Nova Geração do Samba (1997) (Ouro)
  • Celebração (1998) (Ouro)
  • Claridade (1999) (Ouro)
  • Nos Bares da Vida (2000) – ao vivo (Platina)
  • A Paixão tem Memória (2001) (Ouro)

Indie Records

  • Ao Vivo (2002) (Platina)
  • Ao Vivo 2 (2003) (Platina)
  • Alcione – Duetos(2004)
  • Faz Uma Loucura por Mim (2004) (Platina)
  • Faz Uma Loucura por Mim – Ao Vivo (2005)
  • Alcione e Amigos (2005)
  • Uma Nova Paixão (2005) (Ouro)
  • Uma Nova Paixão – Ao Vivo (2006) (Ouro)
  • Coleções – Grandes Sucessos de Alcione (2007)
  • De Tudo Que eu Gosto (2007)
  • Raridades (2008)
  • Acesa (2009)

Televisão

Deixe seu comentário:

Curta no Facebook